Sabia que na ramos iam morar peças repletas de intenção. Cada uma com a sua personalidade, senhoras de si, com estórias que ouví atentamente, para lhes poder dar nomes.

menina e moça foi a minha primeira peça. Filha do amor que tenho por todas as peles que as mulheres vestem e pelas formas, umas vezes elegantes, outras vezes toscas. Sempre bonitas, despertam a vontade de pegar no barro e as moldar.

Assim fiz. Uma e outra vez, nasceram mais filhas e corpos mil. E depois olhei para elas e pensei na pena que era desaparecerem e não regressarem mais para nos encantar.

Decidi trazê-las e mantê-las. Respeitando a vontade de criar peças especiais e exclusivas, as suas formas iniciais manter-se-ão ao longo dos tempos mas ocasionalmente  vou apresentá-las vestidas de outro barro ou de novos detalhes. 

Agora só têm de as olhar, escutar e namorar.

fe·mi·ni·no

facebook.png
instagram.png